Categorias

Transporte (11) e educação (10) lideram as causas dos 38 protestos de Campos

Ônibus lotados e filas de gente querendo entrar, em mais um dia de rotina no terminal rodoviário urbano de Campos (foto de Valmir Oliveira - Folha da Manhã)

Ônibus lotados e filas de gente querendo entrar, em mais um dia de rotina no terminal rodoviário urbano de Campos (foto de Valmir Oliveira – Folha da Manhã)

 

Para os campistas que tem saído às ruas para protestar, o transporte público é o principal problema da cidade, seguido da educação, da infraestrutura urbana, da saúde, da habitação, de benefícios sociais e da segurança. Dos 38 protestos populares registrados este ano em Campos (confira-os, um a um, aqui), 11 deles foram contra a precariedade do transporte público, em pontos fisicamente distantes do vasto município, o que indica a generalização do problema: cinco na Baixada Campista (três em Mineiros, um em Donana e outro em Ponto dos Coqueiros), dois na área central, dois em Lagoa de Cima, um em Santa Cruz e um no Parque Califórnia. Já na educação, outro calcanhar de Aquiles do governo Rosinha, que oferece o pior ensino municipal de todo o Estado do Rio, segundo dados do Índice de Desenvolvimento da Educação Básica (Ideb), foram 10 as manifestações. Demandas de infraestrutura urbana geraram sete protestos, seguidas da saúde e da habitação, com três cada; e de benefícios sociais e da segurança pública, cada um gerando duas manifestações.

Além de usar os supervisores municipais para montar uma rede, via WhatsApp, para monitorar e tentar evitar novos protestos, se a tática adotada pelos garotistas-rosáceos for realmente fomentar e jogar a maior luz possível em protestos de cobrança aos serviços públicos do governo estadual assumido este mês por Luiz Fernando Pezão (PMDB), concorrente direto do deputado federal Anthony Garotinho (PR) na corrida ao Palácio Guanabara, a tarefa pode não ser das mais fáceis. Das 38 manifestações de 2013, apenas três poderiam servir a este fim: duas por cobrança de segurança pública e uma (entre as 10 da educação) feita por professores, funcionários e alunos da Uenf, em greve por melhores condições desde março. Mas a imensa maioria dos protestos em Campos são por serviços públicos tão básicos, que fica muito difícil jogar a responsabilidade sobre eles além do colo do município, sobretudo quando não se perde a conta do seu orçamento bilionário.

 

 

Desgastado com protestos que criou, governo Rosinha cria rede para evitá-los

Cerca de 150 moradores da localidade Tocaia, entre Donana e Goitacazes, realizaram uma manifestação no final da tarde de hoje. Segundo os moradores, a localidade enfrenta problemas de infraestrutura mesmo em fase de conclusão de obras. Calçadas recém construídas afundando e bueiros entupidos causaram revolta na população, que ateou fogo em pneus para fechar a RJ 216, Campos/Farol,  na véspera do feriado da Semana Santa, quando várias pessoas se deslocam para o litoral campista. Uma equipe do Corpo de Bombeiros esteve no local para apagar as chamas, com escolta da PM. O engarrafamento na rodovia chegou a aproximadamente quatro quilômetros, nos dois sentidos, causando indignação aos motoristas

Cerca de 150 moradores da localidade Tocaia, entre Donana e Goitacazes, realizaram uma manifestação no final da tarde de hoje. Segundo eles, a localidade enfrenta problemas de infraestrutura mesmo em fase de conclusão de obras. Calçadas recém construídas afundando e bueiros entupidos causaram revolta na população, que ateou fogo em pneus para fechar a RJ 216, Campos/Farol, na véspera do feriado da Semana Santa, quando várias pessoas se deslocam para o litoral campista. Uma equipe do Corpo de Bombeiros esteve no local para apagar as chamas, com escolta da PM. O engarrafamento na rodovia chegou a aproximadamente quatro quilômetros, nos dois sentidos, causando indignação aos motoristas (foto de Silésio Corrêa – Folha da Manhã)

 

Não é de hoje, Campos tem sido refém dessa história sempre passional entre criador e criatura, que desde a Antiguidade gerou clássicos como “Édipo Rei”, do grego Sófocles (496 a.C/406 a.C.), ou já no Romantismo do séc. 19, com o “Frankenstein” da inglesa Mary Shelley (1797/1851). No filho que mata o pai para tomar-lhe o trono e a rainha, ou no monstro parido com partes de cadáveres para cobrar sua humanidade a quem o criou, houve também quem visse em Campos, desde 1989, com a então renovação política do município rimando com a mudança do seu eixo econômico da agroindústria sucroalcooleira para os royalties do petróleo, um paralelo da passagem de poder de Ramiro Bastos para Mundinho Falcão, na Ilhéus da célebre “Gabriela, Cravo e Canela” de Jorge Amado (1912/2001). Tomado o poder, a renovação veste o chapéu do coronel sobre a própria cabeça, finalmente desnuda sob a aba da conquista, para confirmar a sentença de outro escritor, o italiano Tomasi Di Lampeduza (1896/1957), que nos adverte em seu “O Leopardo”, pela boca do príncipe de Falconeri: “As coisas têm que mudar para permanecerem as mesmas”. E tanto pior quando a renovação se revela permanência, pelas décadas seguintes, com muito mais dinheiro para bancar delírios obsessivos muito mais altos de poder.

Feito o preâmbulo da arte que imita a vida para ser por ela imitada, em outra velha história entre criador e criatura, talvez pernóstica, talvez necessária numa cidade governada há 25 anos por um grupo político egresso do teatro, inegável que o advento dos protestos, com fechamento de rodovias, foi introduzido em Campos pelo governo Rosinha. Desde a primeira cassação da prefeita por crime eleitoral, durante seis meses de 2010, até a segunda, por apenas dois dias de setembro de 2011, o modus operandi de guerrilha urbana foi também repetido em todas as manifestações governistas contra as decisões sobre a partilha dos royalties no Congresso Nacional. Para protestar contra elas, em março de 2011, além da BR 101 ser mais uma vez fechada, até o aeroporto Bartolomeu Lyzandro e Heliporto do Farol chegaram a ser tomados por hordas compostas de DAS e servidores municipais terceirizados, liderados pessoalmente por vereadores e secretários de Rosinha, em cenas explícitas de vandalismo e depredação, diante da total passividade da Polícia, do Ministério Público e do Judiciário locais. No caso de dúvida, aconselha-se a refrescar a memória aqui e aqui.

Com o poder público municipal que ensinou como protestar contra aquilo que não lhe convém, assim como com aqueles de esfera estadual e federal que nada fizeram para coibir ou punir os excessos cometidos, a população campista aprendeu a lição. Afinal, como reza a Constituição em seu Art. 1º, parágrafo único: “Todo poder emana do povo”. Não por outro motivo, para protestar contra saúde, educação, escoamento de águas da chuva e, sobretudo, transporte público, os campistas adotaram os protestos, tanto nas áreas centrais, como nas mais periféricas do vasto município, muitas vezes acompanhado do fechamento estradas e ruas. Nas últimas semanas, tantas foram as manifestações, por motivos e em lugares diferentes, algumas ao mesmo tempo, que tem sido até difícil a cobertura jornalística de todas, dificuldade felizmente atenuada por uma recente e popular aplicativo virtual: o WhatsApp, através do qual a Folha lançou uma campanha na qual você, leitor, é o repórter, através do número 99208-7368, numa contribuição diária com fotos, vídeo, áudio e informações, em tempo real, sobre as muitas demandas enfrentadas pelo cidadão num município de orçamento bilionário.

Mas, para provar como é confusa essa história entre criador e criatura, o mesmo governo municipal que ensinou à população como fechar vias públicas como forma de protesto, criando o que agora lhe atormenta quase diariamente, a contrariedade do cidadão com seus serviços públicos, manifesta através do WhatsApp, acabou levando o governo municipal a criar uma rede de monitoramento, usando o mesmo aplicativo. Com a criação de grupos virtuais, os supervisores municipais, cargos indicados e subordinados à secretaria de Governo de Suledil Bernardino (PR), passaram a se dedicar à observação atenta de qualquer manifestação virtual que possa gerar um protesto real nos bairros. Ao menor sinal de que mais um possa pipocar, é imediatamente acionado o supervisor do bairro cuja população ameaça ir às ruas por seus direitos, para tentar debelar a iniciativa. Para se prestarem a esse (des)serviço de contra-informação, os servidores recebem como DAS 7, cujo salário passou a cerca de R$ 2.250,00 bancados pelos cofres públicos municipais, após o aumento de 50% concedido recentemente pela prefeita Rosinha, enquanto liberou aos servidores concursados, portanto desobrigados de qualquer função política, um reajuste de apenas 10%, depois de propor inicialmente 7%.

Já desgastado pela falta de qualquer satisfação pública sobre o “Verão da Gastança” no Farol (aqui), além das falhas de infraestrutura que permitem vários pontos de alagamentos na cidade em qualquer chuva mais forte (aqui), os protestos feitos na grande maioria dos casos para cobrar serviços públicos municipais, têm incomodado bastante o governo Rosinha. De fato, para quem tem mais informação e sabe ler um pouco adiante do escrito, além do monitoramento dos supervisores via WhatsApp, outra tática foi oficialmente adotada nos bastidores garotistas-rosáceos: fomentar e dar a maior luz possível a todos os protestos de cobrança ao governo estadual, assumido neste mês por Luiz Fernando Pezão (PMDB), concorrente direto do deputado federal Anthony Garotinho (PR) na corrida ao Palácio Guanabara. Além de tentar prejudicar politicamente Pezão, a ideia, daqui a outubro, é tentar jogar apenas na conta dele as manifestações populares campistas de protesto.

Abaixo, um resumo dos protestos populares neste ano de 2013, na esperança de que, neste jogo entre criador e criatura, as coisas não permaneçam as mesmas:

 

Fevereiro

07/02 – Ex-funcionários da BK Transportes se manifestam sob a ponte Leonel Brizola, no Centro, reivindicando direitos trabalhistas e param ônibus adquiridos pela São Salvador

07/02 – Ex-funcionários da BK Transportes se manifestam sob a ponte Leonel Brizola, no Centro, reivindicando direitos trabalhistas e param ônibus adquiridos pela São Salvador (foto de Helen Souza – Folha da Manhã)

 

10/02 – Nova manifestação de ex-funcionários da BK por direitos trabalhistas para ônibus da São Salvador, sob a ponte Leonel Brizola, no Centro, no início da manhã

10/02 – Nova manifestação de ex-funcionários da BK por direitos trabalhistas para ônibus da São Salvador, sob a ponte Leonel Brizola, no Centro, no início da manhã (foto de Helen Souza – Folha da Manhã)

 

03 - Manifestação na BR 101,24-02-2014,Foto Valmir Oliveira (30)

24/02 – Moradores da Comunidade da Linha, no Parque Rodoviário, fecham a BR 101 por 1h30, protestando contra a transferência de famílias para o “Morar Feliz”, em Ururaí (foto de Valmir Oliveira – Folha da Manhã)

 

26/02 – Estudantes do IFF Campos-Guarus se reúnem em frente à unidade, se manifestando contra a falta de segurança e onda de assaltos nas proximidades

26/02 – Estudantes do IFF Campos-Guarus se reúnem em frente à unidade, se manifestando contra a falta de segurança e onda de assaltos nas proximidades (foto de Genilson Pessanha – Folha da Manhã)

 

 

Março

14/03 – Mães de alunos protestam contra falta de auxiliares e falta de estrutura na creche municipal Stiac, na rua Dr. Siqueira, no Centro de Campos

14/03 – Mães de alunos protestam contra falta de auxiliares e falta de estrutura na creche municipal Stiac, na rua Dr. Siqueira, no Centro de Campos (foto de Genilson Pessanha – Folha da Manhã)

 

04 - Camelos faz protesto para faixa de pedestre,14-03-2014,Foto Silesio Correa (16)

14/03 – Permissionários do Shopping Popular Michel Haddad fecham a José Alves de Azevedo por meia hora, reivindicando faixa de pedestre em frente ao Parque Alberto Sampaio (foto de Silésio Corrêa – Folha da Manhã)

 

17/03 - Moradores da Tapera fecham BR 101 por cerca de 2h30, em manifestação contra transferência de famílias para o “Morar Feliz”, em Ururaí

17/03 – Moradores da Tapera fecham BR 101 por cerca de 2h30, em manifestação contra transferência de famílias para o “Morar Feliz”, em Ururaí (foto de Valmir Oliveira – Folha da Manhã)

 

19/03 – Permissionários do Shopping Popular Michel Haddad manifestam e pedem apoio de Guarda Municipal para segurança na travessia da avenida.

 

20/03 – Protesto de moradores da Tapera fecha novamente BR 101, contra a transferência de famílias para o “Morar Feliz”, em Ururaí

20/03 – Protesto de moradores da Tapera fecha novamente BR 101, contra a transferência de famílias para o “Morar Feliz”, em Ururaí (foto de Genilson Pessanha – Folha da Manhã)

 

20/03 – Mães de alunos da creche do Parque Imperial fecham parte da RJ 216, pedindo auxiliares de creche na unidade depois que uma professora foi agredida.

21/03 – Beneficiários do Bolsa Família fazem manifestação em frente à sede do programa, depois da redução do número de fichas para o recadastramento por conta do feriado.

 

25/03 – Servidores públicos de Campos realizam passeata e declaram estado de greve por melhores salários e outros benefícios. Professores municipais também pedem melhores condições.

25/03 – Servidores públicos de Campos realizam passeata e declaram estado de greve por melhores salários e outros benefícios. Professores municipais também pedem melhores condições (foto de Valmir Oliveira – Folha da Manhã)

 

26/03 - Um grupo se reuniu em frente à creche da Lapa, João Perdecene Neto. De acordo com as professoras da unidade, a direção da creche já teria solicitado auxiliares de turma à secretaria de Educação, mas não teriam sido atendidos até o momento. A situação, segundo as professoras, se arrasta há dois anos

26/03 – Um grupo se reuniu em frente à creche da Lapa, João Perdecene Neto. De acordo com as professoras da unidade, a direção da creche já teria solicitado auxiliares de turma à secretaria de Educação, mas não teriam sido atendidos até o momento. A situação, segundo as professoras, se arrasta há dois anos (foto de Patrícia Barreto – Folha da Manhã)

 

28/03 – Moradores do Parque Santa Helena fecham os acessos às pontes General Dutra e Alair Ferreira, revoltados com os alagamentos, e fazem um bolo com a lama da chuva para protestarem contra o bolo de 179 metros que o casal Garotinho havia cortado no Cepop, naquele mesmo dia em que Campos comemorava seus 179 anos

28/03 – Moradores do Parque Santa Helena fecham a BR 101 e os acessos às pontes General Dutra e Alair Ferreira, revoltados com os alagamentos, e fazem um bolo com a lama da chuva para protestarem contra o bolo de 179 metros que o casal Garotinho havia cortado no Cepop, naquele mesmo dia em que Campos comemorava seus 179 anos (foto de Valmir Oliveira – Folha da Manhã)

 

 

31-03 - Odebrecht

31/03 – Trabalhadores da Odebrecht, que executam obras do “Morar Feliz”, em Ururaí, param atividades reivindicando reajuste salarial e melhores condições de trabalho (foto de Patrícia Barreto – Folha da Manhã)

 

31/03 – Moradores da Baixada Campista fecham RJ 216 em Mineiros, contra a precariedade do transporte público

31/03 – Moradores da Baixada Campista fecham RJ 216 em Mineiros, contra a precariedade do transporte público (foto do leitor Rondinele Barcelos)

 

Abril

 01/04– Pais de alunos se manifestam contra falta de auxiliares na creche de Donana e falta de funcionários na creche escola Madre Tereza de Calcutá, em Travessão.

 

02/04 –Manifestantes fecham novamente a RJ 216, em Mineiros, em protesto contra falta de ônibus na Baixada Campista e pedem redutores de velocidade na rodovia

02/04 –Manifestantes fecham novamente a RJ 216, em Mineiros, em protesto contra falta de ônibus na Baixada Campista e pedem redutores de velocidade na rodovia (foto de Valmir Oliveira – Folha da Manhã)

 

03-04 29 de Maio

03/04 – Moradores da Pecuária fecham a Av. Presidente Vargas para protestar contra falta de professores no Colégio 29 de Maio, auxiliares na creche Irmã Zilda de Castro e médicos na UBS (foto de Patrícia Barreto – Folha da Manhã)

 

03/04 – RJ 216 é fechada por manifestantes, em Mineiros, contra falta de ônibus, e reivindicam redutores de velocidade na rodovia e calçamento da Rua Amaro Riscado Dias

03/04 – RJ 216 é fechada por manifestantes, em Mineiros, contra falta de ônibus, e reivindicam redutores de velocidade na rodovia e calçamento da Rua Amaro Riscado Dias (foto de Valmir Oliveira – Folha da Manhã)

 

04/04 - Beneficiários Bolsa Família protestam em frente à unidade por falta de distribuição das senhas brancas no dia

04/04 – Beneficiários Bolsa Família protestam em frente à unidade por falta de distribuição das senhas brancas no dia (foto de Genilson Pessanha – Folha da Manhã)

 

07/04 - Moradores de Fazendinha queimaram pneus e galhos de árvores para solicitar a construção de redutores de velocidade na extensão da rua Newton Guaraná, que começa no bairro da Penha

07/04 – Moradores de Fazendinha queimaram pneus e galhos de árvores para solicitar a construção de redutores de velocidade na extensão da rua Newton Guaraná, que começa no bairro da Penha (foto de Genilson Pessanha – Folha da Manhã)

 

07-04 Babosa

07/04 – No distrito de Babosa, os moradores reivindicam a construção de um posto de saúde, uma área de lazer e marquises, extensão do horário do transporte coletivo, além de atenção especial da Polícia Militar (foto de Genilson Pessanha – Folha da Manhã)

 

08/04 - Profissionais da saúde do Hospital Ferreira Machado (HFM) e do Hospital Geral de Guarus (HGG), manifestaram em frente à Câmara de Vereadores de Campos. A manifestação durou cerca de três horas e contou com a participação de aproximadamente 60 pessoas. A categoria reivindicou a gratificação salarial de 100% que foi recebida apenas pelos médicos

08/04 – Profissionais da saúde do Hospital Ferreira Machado (HFM) e do Hospital Geral de Guarus (HGG), manifestaram em frente à Câmara de Vereadores de Campos. A manifestação durou cerca de três horas e contou com a participação de aproximadamente 60 pessoas. A categoria reivindicou a gratificação salarial de 100% que foi recebida apenas pelos médicos (foto de Valmir Oliveira – Folha da Manhã)

 

08/04 - Permissionários do Shopping Popular Michel Haddad voltaram a se manifestar na avenida José Alves de Azevedo (Beira-Valão). Desta vez, segundo o presidente da Associação dos Vendedores Ambulantes do Shopping Popular, Frederico dos Santos, o motivo do protesto é falta de energia elétrica no Parque Alberto Sampaio (local provisório que abriga os profissionais enquanto o Camelódromo está em obras), um contêiner que exala mal cheiro, localizado ao lado do Mercado Municipal, e o impedimento de estacionar motos de clientes e permissionários

08/04 – Permissionários do Shopping Popular Michel Haddad voltaram a se manifestar na avenida José Alves de Azevedo (Beira-Valão). Desta vez, segundo o presidente da Associação dos Vendedores Ambulantes do Shopping Popular, Frederico dos Santos, o motivo do protesto é falta de energia elétrica no Parque Alberto Sampaio (local provisório que abriga os profissionais enquanto o Camelódromo está em obras), um contêiner que exala mal cheiro, localizado ao lado do Mercado Municipal, e o impedimento de estacionar motos de clientes e permissionários (foto de Valmir Oliveira – Folha da Manhã)

 

08/04 - Pais de alunos da Escola Municipal Manoel Ribeiro do Nascimento, na Tapera, foram para frente da unidade reivindicar a falta de inspetores, professores e vigias. Segundo eles, as crianças têm ficado sem aula e sem segurança no local desde o início do ano letivo em 2014. A manifestação fez com que o trânsito na BR-101 ficasse lento, já que a instituição de ensino fica às margens da rodovia

08/04 – Pais de alunos da Escola Municipal Manoel Ribeiro do Nascimento, na Tapera, foram para frente da unidade reivindicar a falta de inspetores, professores e vigias. Segundo eles, as crianças têm ficado sem aula e sem segurança no local desde o início do ano letivo em 2014. A manifestação fez com que o trânsito na BR-101 ficasse lento, já que a instituição de ensino fica às margens da rodovia (foto de Helen Souza – Folha da Manhã)

 

08/04 - A população de Cazumbá e Mosteiro de São Bento pararam a ponte que liga as localidades por cerca de duas horas. Moradores pediam a reabertura do Destacamento de Policiamento Ostensivo (DPO) de Sabonete seja reaberto

08/04 – A população de Cazumbá e Mosteiro de São Bento pararam a ponte que liga as localidades por cerca de duas horas. Moradores pediam a reabertura do Destacamento de Policiamento Ostensivo (DPO) de Sabonete seja reaberto (foto de Silésio Corrêa – Folha da Manhã)

 

09/04 - Pais de alunos e docentes da Creche Escola Francisco de Assis, no Matadouro, fizeram uma manifestação na porta da unidade para reclamar da falta de auxiliares e professores na unidade. Os professores suspenderam as aulas e se juntaram aos pais, que erguiam cartazes com reivindicações. As aulas do berçário estão suspensas na unidade há cerca de 15 dias

09/04 – Pais de alunos e docentes da Creche Escola Francisco de Assis, no Matadouro, fizeram uma manifestação na porta da unidade para reclamar da falta de auxiliares e professores na unidade. Os professores suspenderam as aulas e se juntaram aos pais, que erguiam cartazes com reivindicações. As aulas do berçário estavam suspensas na unidade há cerca de 15 dias (foto de Genilson Pessanha – Folha da Manhã)

 

09/04 - Centenas de professores se concentraram na praça São Salvador para organizar uma passeata que seguiu do Centro pelas ruas até a sede da Prefeitura de Campos, reivindicando melhores condições de trabalho e valorização da categoria. O ato ganhou apoio dos grevistas e alunos da Universidade Estadual do Norte Fluminense (Uenf), da Fenorte e do Sindicato Estadual dos Profissionais de Educação (Sepe)

09/04 – Centenas de professores se concentraram na praça São Salvador para organizar uma passeata que seguiu do Centro pelas ruas até a sede da Prefeitura de Campos, reivindicando melhores condições de trabalho e valorização da categoria. O ato ganhou apoio dos grevistas e alunos da Uenf, da Fenorte e do Sepe (foto de Genilson Pessanha – Folha da Manhã)

 

09/04 - Moradores de Lagoa de Cima fecharam a única estrada que dá acesso ao Imbé, colocando fogo em galhos e troncos de árvores. A revolta se deu pela pouca oferta de transporte público

09/04 – Moradores de Lagoa de Cima fecharam a única estrada que dá acesso ao Imbé, colocando fogo em galhos e troncos de árvores. A revolta se deu pela pouca oferta de transporte público (foto de Genilson Pessanha – Folha da Manhã)

 

09/04 - Alunos do Colégio Estadual Desembargador Álvaro Ferreira Pinto, em Donana, fizeram uma manifestação na RJ-216, Campos/Farol, no fim da manhã com cartazes e faixas que parou o trânsito por cerca de uma hora. O pedido dos estudantes também é por mais ônibus no transporte coletivo. Policiais do BPRv estiveram no local e ajudaram a coordenar o fluxo de veículos

09/04 – Alunos do Colégio Estadual Desembargador Álvaro Ferreira Pinto, em Donana, fizeram uma manifestação na RJ-216, Campos/Farol, no fim da manhã com cartazes e faixas que parou o trânsito por cerca de uma hora. O pedido dos estudantes também é por mais ônibus no transporte coletivo. Policiais do BPRv estiveram no local e ajudaram a coordenar o fluxo de veículos (foto de Genilson Pessanha – Folha da Manhã)

 

09/04- Moradores de Santa Cruz fecharam a RJ 158, Campos/São Fidélis, em frente à usina, por causa de problemas com a falta de transporte público. Moradores se revoltaram por esperarem horas pelos ônibus e fecharam a rodovia colocando fogo em galhos e pneus. O engarrafamento só  acabou quando o Corpo de Bombeiros apagou as chamas com escolta da Polícia Militar

09/04- Moradores de Santa Cruz fecharam a RJ 158, Campos/São Fidélis, em frente à usina, por causa de problemas com a falta de transporte público. Moradores se revoltaram por esperarem horas pelos ônibus e fecharam a rodovia colocando fogo em galhos e pneus. O engarrafamento só acabou quando o Corpo de Bombeiros apagou as chamas com escolta da PM (foto de Valmir Oliveira – Folha da Manhã)

 

15/04 - Profissionais da saúde de diversas categorias do HGG e HFM realizaram mais uma manifestação, desta vez na subida da ponte General Dutra, em Campos, uma semana após a primeira, em frente à Câmara Municipal, reivindicando reajuste salarial equiparado ao concedido aos médicos durante as comemorações do aniversário do município

15/04 – Profissionais da saúde de diversas categorias do HGG e HFM realizaram mais uma manifestação, desta vez na subida da ponte General Dutra, em Campos, uma semana após a primeira, em frente à Câmara Municipal, reivindicando reajuste salarial equiparado ao concedido aos médicos durante as comemorações do aniversário do município (foto de Genilson Pessanha – Folha da Manhã)

 

15-04 Estudantes

15/04 – Estudantes da Escola Técnica Estadual João Barcelos Martins , da rede Faetec, protestaram pelas ruas de Campos pedindo solução para o problema de transporte público que eles vêm enfrentando. Eles seguiram até a Câmara, onde foram recebidos pelo presidente Edson Batista (foto de Rodrigo Silveira – Folha da Manhã)

 

16- Os moradores da localidade de Morro Grande, em Lagoa de Cima, fecharam mais uma vez a principal via, ateando fogo em galhos para reclamar do transporte público ineficiente. Em seguida, se dirigiram à área urbana e se reuniram em frente ao Instituto Municipal de Trânsito e Transporte (IMTT), cobrando uma resposta imediata do órgão

16/04 – Os moradores da localidade de Morro Grande, em Lagoa de Cima, fecharam mais uma vez a principal via, ateando fogo em galhos para reclamar do transporte público ineficiente. Em seguida, se dirigiram à área urbana e se reuniram em frente ao Instituto Municipal de Trânsito e Transporte (IMTT), cobrando uma resposta imediata do órgão (foto de Patrícia Barreto – Folha da Manhã)

 

16-04 RJ 216

16/04 – Moradores da localidade de Ponto de Coqueiros, na Baixada Campista, fecharam a RJ 216, Campos/Farol, próximo à entrada do Largo do Garcia. Os manifestantes reivindicam quebra-molas e transporte público decente (foto do leitor Filipe Barreto)

 

16/04 - Docentes, técnicos e alunos da Uenf e servidores da Fenorte fecharam parcialmente a rodovia BR 101, em frente ao Shopping Estrada. Os manifestantes cobram o governo estadual por melhorias nas duas instituições

16/04 – Docentes, técnicos e alunos da Uenf e servidores da Fenorte fecharam parcialmente a rodovia BR 101, em frente ao Shopping Estrada. Os manifestantes cobram o governo estadual por melhorias nas duas instituições (foto de Patrícia Barreto – Folha da Manhã)

 

 

Atualização às 0h14 de 18/04: Longe de esforço meramente individual, a confecção desta laborosa postagem foi fruto de semeadura e colheita coletivas, da qual participaram os jornalistas Simone Barreto, Rodrigo Gonçalves, Silésio Corrêa, além do designer Eliabe de Souza, o Cássio Jr., sem os quais não seria possível reunir esse trabalho de quatro meses numa parceria reafirmada dia após dia, entre toda a redação da Folha e seu mais importante colaborador: você, leitor.

 

Enquanto isso na corrida…

charge 17-04-14[1]

 

Sem Patrícia ou respostas, ato de apoio à política cultural tem o Boi Capeta

(Foto de Silésio Corrêa - Folha da Manhã)

(Foto de Silésio Corrêa – Folha da Manhã)

 

Iniciado por volta das 18h20 de hoje, em frente ao tradicional churrasquinho do Chá-chá-chá, o ato de apoio à cultura pública do município de Campos, não contou com a presença de quem a comanda, a presidente da Fundação Cultural Jornalista Oswaldo Lima (FCJOL), Patrícia Cordeiro, nem ofereceu respostas aos questionamentos sobre o “Verão da Gastança” no Farol, feito em blogs, imprensa e vereadores de oposição. Segundo o presidente da associação dos Bois Pintadinhos, Marciano da Hora, disse ao repórter da Folha Mário Sérgio Junior, a iniciativa partiu de “todas as entidades que são gestoras de cultura”, com a “intenção de formar um comitê permanente para realizar fóruns de 15 em 15 dias, além de um seminário initulado ‘Minha Cultura Campista’”, ainda sem data. Músico de talento, em jazz e MPB, quem se apresentou foi o flautista (e saxofonista) Dalton Freire. Estão ainda previstas apresentações de dança de salão, capoeira, jongo e da bateria da escola de samba União da Esperança.

Em seu momento mais cheio, no Centro da cidade em horário de saída de serviço, o evento chegou a contar com a participação de cerca de 60 pessoas. A única autoridade que marcou presença, pelo menos até agora, foi o superintendente de Igualdade Racial (a extinta Fundação Zumbi), Jorge Luiz dos Santos, que na verdade organizou o evento (relembre aqui), numa reunião na segunda-feira (14/04), na tentativa de dar apoio à presidente da FCJOL e à política cultural que ela comanda. Na ausência de Patrícia e de respostas sobre o “Verão da Gastança”, assim como o rolo compressor governista a exime de comparecer para dá-las na Câmara Municipal, em manobras sempre comandadas pela vereadora Linda Mara (Pros), a primeira figura pública a comparecer ao evento de hoje foi o Boi Capeta.

 

 

Campos sem 63 das 82 ambulâncias contratadas desde 2013, e trabalhadores sem receber

Ambulância do filme “Os Caça Fantasmas”

Ambulância do filme “Os Caça Fantasmas”

 

Das 82 ambulâncias terceirizadas em contrato, desde dezembro de 2013, com a Prefeitura de Campos, apenas 19 estão prestando o serviço essencial de Saúde Pública do município. E do pessoal herdado pela atual Nova Master da antiga empresa GAP, cujas relações com os Garotinho foi alvo de escândalo de repercussão nacional (confira aqui), 120 funcionários estão até agora sem receber o mês trabalhado de março, sem dinheiro para bancarem a Páscoa das suas famílias.

A despeito das promessas do governo Rosinha, cujo líder na Câmara, vereador Paulo Hirano (PR), chegou a prometer em fevereiro que todas as 82 ambulância estariam circulando em março (confira aqui), das 26 que desde então haviam sido entregues, além de nenhuma nova chegar, sete delas se encontram paradas por problemas mecânicos, segundo denunciaram hoje à repórter da Folha Dora Paula Paes os representantes dos motoristas que estão sem receber seus salários. Eles ameaçam cruzar os braços e parar completamente o serviço, já reduzido a menos de 25% da demanda, se a situação continuar. Junto a representantes da Nova Master, a informação é de que, só após a Páscoa, terão finalmente depositados seus vencimentos de março.

Sem 63 (56 que nunca chegaram, mais sete que estão à espera de conserto) das 82 ambulâncias contratadas desde dezembro, e com motoristas ameaçando parar por não receber salários, a promessa da Prefeitura de Campos, feita em TV e rádio no programa Folha no Ar, no último dia 8, pelo secretário de Administração Fábio Ribeiro (relembre aqui), seria de que as 56 ambulâncias restantes chegariam num prazo entre 45 a 60 dias, num envio de 10 novas ambulâncias por semana. Passada mais de uma semana sem que nenhuma ambulância tenha sido entregue, hoje, dia 16, a secretaria de Comunicação, cobrada pela reportagem da Folha, enviou por e-mail mais uma promessa:

“De acordo com o secretário municipal de Administração e Gestão de Pessoas, Fábio Ribeiro, o prazo é que a Nova Master entregue as ambulâncias até o dia 20”.

 

 

E na Campos formosa e intrépida…

CHARGE 16-04-2014[1]

 

Wladimir já havia antecipado apoio de Cabral à candidatura de Crivella

Wladimir, Garotinho, Crivella e Cabral (montagem de Eliabe de Souza, o Cássio Jr.)

 

“A candidatura de Crivella (PRB) a governador veio por um pedido da presidente Dilma (PT), que queria ter mais um palanque no Rio. Depois, sem conseguir atrair outros partidos ou apoios, ele decidiu desistir. Cabral (PMDB) soube e chamou Crivella, pedindo para manter a candidatura, que ele iria ajudar, porque precisava dela para tentar impedir a volta de Garotinho (PR) ao governo do Rio”. Dada desde a semana passada, em conversa antes da entrevista publicada no domingo aqui, o presidente do PR em Campos, Wladimir Garotinho, já havia antecipado o que o jornalista da Veja Lauro Jardim noticiou ontem aqui, no “Radar on-line”, e o “Ponto de Vista” do Christiano Abreu Barbosa foi o primeiro a divulgar, aqui, na blogosfera local.

Em estilo mais virulento que o do filho, foi a mesma coisa que Anthony Garotinho repetiu hoje, aqui, em seu blog. Já a “ajuda” que, segundo antecipou Wladimir, teria sido prometida por Cabral, Lauro Jardim revelou já ter começado, com a retirada da pré-candidatura própria a governador do PSC, para que o partido iniciasse entendimentos para o apoio à caminhada de Crivella ao Palácio Guanabara.

 

 

PMDB comemora 10% de Pezão em pesquisa que dá 20% a Garotinho

GPP

 

A campanha eleitoral ainda não começou, as convenções partidárias serão em junho, sequer há candidatos oficiais. Feitas estas ressalvas, um registro: o PMDB comemora o resultado de uma sondagem que encomendou ao Instituto GPP. Segundo os números divulgados pelo partido, há um empate técnico entre Pezão (10% das intenções de voto), Lindbergh (9%) e Cesar Maia (8%). Garotinho permanece na liderança com 20 pontos, Crivella tem 14. Miro Teixeira ficou com 3,5% das preferências — em outras pesquisas ele tinha 1%.

 

Publicado hoje na coluna “Informe do Dia”, do jornalista Fernando Molica, no jornal O Dia.

 

Atualização às 16h33: Aqui, em seu blog, Garotinho já havia repercutido antes deste “Opiniões” a pesquisa do GPP noticiada em O Dia. No entanto, o pré-candidato do PR a governador garantiu ter pesquisa que o colocaria acima dos 20% e Pezão, abaixo dos 10%. Ele, no entanto, não divulgou os números dessa sua pesquisa, alegando não ter sido registrada.

 

 

Ato de apoio a Patrícia Cordeiro no Chá-chá-chá terá samba. E respostas?

 

Segundo o jornalista Alexandre Bastos colocou aqui, cobrada pelos vereadores da oposição para dar explicações sobre o “Verão da Gastança” no Farol, a presidente da Fundação Cultural Jornalista Oswaldo Lima (FCJOL), Patrícia Cordeiro, estaria parafraseando a canção “Beijinho no Ombro”, da funkeira-pop Valesca Popozuda: “Mandando beijinho no ombro para o recalque passar longe”. Na realidade, parece que não é bem assim.

Organizado pela vereadora Linda Mara (Pros) e pelo superintendente de Igualdade Racial (a extinta Fundação Zumbi), Jorge Luiz dos Santos, está marcado para amanhã um ato em defesa de Patrícia e da política cultural que ela comanda no município, contra todas as cobranças que ambas têm sofrido pela oposição na Câmara Municipal. O evento foi marcado numa reunião ontem, na sede da antiga Zumbi, à qual compareceram cerca de 30 artistas ligados à música, ao carnaval e ao folclore, que têm sido atendidos pelas verbas públicas municipais. A concentração do ato será a partir das 18h, em frente ao Chá-chá-chá, com direito a bateria de escola de samba.

Entre um churrasquinho e outro, com molho a campanha carregado na cebola, será que alguém vai aproveitar e responder ao pedido de informação feito pelo vereador Rafael Diniz (PPS) diretamente à presidente da FCJOL, desde 29 de janeiro? Na dúvida, confira abaixo os questionamentos do vereador sobre o emprego do dinheiro público no “Verão da Gastança”, até hoje sem nenhuma resposta:

 

a) Quantos shows estão na programação do Verão 2014, incluindo os que já ocorreram e aqueles que já estão programados e ainda serão realizados nesse verão?

b) Qual o critério utilizado para a escolha dos artistas locais?

c) Qual foi o valor total destinado aos artistas locais? Requer listagem completa com os nomes dos artistas contratados, valores pagos a cada um deles e número de contratações de cada artista local no período desse verão.

d) Qual foi o valor total destinado aos artistas nacionais? Requer listagem completa com os nomes dos artistas e valores pagos a cada um deles.

e) Quais foram os valores destinados ao som, iluminação, banheiros químicos, camarins, serviços de “buffet”, hospedagens, transporte dos artistas, trios elétricos, telões e palco?

f) Qual foi o orçamento dos eventos ligados ao cinema e literatura?

 

 

Entre judeus e palestinos, Alexandro Florentino comanda o Cineclube Goitacá nesta quarta

Amanhã, quarta-feira, dia 16, a partir das 19h30, na sala 507 do edifício Medical Center, o cineasta e jornalista Alexandro Florentino comanda o Cineclube Goitacá. Na mostra intitulada Cinema Verdade, a sessão trará a inovação de exibir um longa de animação, “Valsa em Bashir”, do diretor israelense Ari Folman, que trata das questões sempre polêmicas entre palestinos e judeus. Depois do filme, Alexandro fará a mediação do debate, cuja participação é tão livre quanto a entrada.